Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Rio Grande do Sul
RS segue na dianteira entre os Estados que mais vacinam no país
Com 77,3% de vacinados, Estado ocupa a segunda colocação, atrás apenas de São Paulo, onde 83,28% de pessoas já receberam pelo menos a primeira dose.
Governo RS
por  Governo RS
22/10/2021 17:51 – atualizado há 1 minuto
Continua depois da publicidadePublicidade

O Rio Grande do Sul se mantém, nesta sexta-feira (22), entre os Estados com maior agilidade na vacinação contra a Covid-19. Nos dados das Secretarias de Saúde, com 77,3% de vacinados, o Estado ocupa a segunda colocação, atrás apenas de São Paulo, onde 83,28% de pessoas já receberam pelo menos a primeira dose.

Segundo o consórcio de veículos de imprensa, 73,94% da população gaúcha recebeu pelo menos uma dose da vacina. O índice está acima dos 71,56% imunizados no país. Apenas São Paulo, com 80,13%, e Santa Catarina, com 74,73%, têm mais vacinados em relação à população em geral.

Na imunização completa, obtida com a segunda dose ou dose única, com 56,8%, o Rio Grande do Sul mais uma vez é superado apenas por São Paulo, com 65,3%. Em Santa Catarina, 54,1% da população recebeu a segunda dose ou dose única. No país, são 50,7%, segundo o consórcio de veículos da imprensa.

Em doses por habitante, Estado vacina mais do que Brasil e EUA

Com quase 15 milhões de doses aplicadas, o Estado já aplicou 130 vacinas para cada 100 habitantes. Uma média que fica acima da vacinação em todo o Brasil e nos Estados Unidos, ambos com 121 doses por habitante, e também com relação à Índia, com 79 vacinados em cada 100 pessoas, e a Rússia, com 68, segundo o site Our World in Data, da Universidade de Oxford.

Como resultado, o número de óbitos registra queda expressiva desde março. No dia 21 daquele mês, foram 317. Devido ao avanço da vacinação, a média móvel atual é de 17 óbitos diários.

"A vacinação tem mostrado uma redução sensível no número de novos casos, principalmente de novas internações", disse a secretária da Saúde, Arita Bergmann. Ela apela à população que não esqueça da segunda dose. "A resposta imune exige o esquema completo da vacinação. É evidente que os agravos não são tão graves, mas sem o esquema completo os riscos são muito maiores", acrescenta.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...