Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Economia
Governo do RS deve fechar 2021 com o primeiro superávit em mais de 10 anos
Apesar de o RS ter tido apenas cinco resultados orçamentários positivos nas últimas três décadas, a previsão é que o Estado feche 2021 com as contas no azul.
Secom/RS
por  Secom/RS
19/10/2021 18:56 – atualizado há 40 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

Embora a Fazenda ainda não trabalhe com um número específico, o Palácio Piratini acumulou um superávit de R$ 1,7 bilhão até agosto. Vários fatores contribuíram para as contas públicas chegarem a esse valor. Por um lado, as receitas do Estado foram potencializadas pela prorrogação das alíquotas majoradas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que devem vigorar até 31 de dezembro de 2021 - e que, conforme projeções do governo, devem representar R$ 2,8 bilhões a mais na arrecadação estadual.

Por outro lado, as despesas do Estado tiveram queda significativa depois das reformas promovidas pelo governador Eduardo Leite (PSDB). Por exemplo, a reforma nas carreiras do funcionalismo público cortou gratificações e aumentos por tempo de serviço, o que, aliado ao congelamento dos salários por sete anos, diminuiu o gasto com pessoal. A reforma estadual da Previdência também contribuiu para isso, ao cobrar alíquotas de 7,5% a 22% não só dos servidores ativos, mas também dos aposentados.

"Até agosto de 2021, acumulamos um superávit de R$ 1,7 bilhão. Normalmente, no final do ano, temos mais despesas do que receitas. Mas com a entrada dos recursos da CEEE-T (Companhia Estadual de Energia Elétrica - Transmissão), cujos contratos de transferência (para a iniciativa privada) foram assinados na semana passada, certamente o resultado orçamentário do Estado será positivo", avalia Cardoso.

Cardoso não garante superávit no resultado orçamento de 2022. "Para 2022, a projeção que a gente trabalha ainda é a da Lei Orçamentária Anual, que foi enviada para a Assembleia Legislativa (em setembro) - com um déficit previsto de R$ 6,2 bilhões."

Para o titular da Fazenda gaúcha, o Rio Grande do Sul só manterá os superávits depois que aderir ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF). "Para o Estado manter uma trajetória de superávit orçamentário, é importante que a gente faça a adesão ao RRF."

A suspensão do pagamento da dívida com a União, graças a uma liminar de 2017, também deu fôlego aos cofres públicos.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...